Bastidores 010: os conflitos e ressentimentos de Pátria

 

O livro 

Uma mulher perde um ente querido num atentado perpetrado pelo grupo terrorista ETA e, antes de morrer, quer que lhe peçam perdão. Esse é o fio condutor de Pátria, o romance de Fernando Aramburu escolhido pelo intrínsecos para julho. Mais do que uma história sobre como a tragédia, a política e o extremismo contaminam todas as relações — desde a amizade das protagonistas Bittori e Miren até o cotidiano de um pequeno vilarejo do País Basco —, Pátria é um romance sobre pessoas comuns e sobre o extraordinário esforço que todo e qualquer relacionamento exige.

Mantendo a tradição da grande narrativa, mas com uma linguagem bastante inovadora, a obra de Aramburu se encaixa perfeitamente na proposta do clube: é uma publicação relevante, inédita no Brasil, uma história impossível de largar, com uma trama bem amarrada e personagens marcantes. O cenário incomum e a agressividade do terrorismo do ETA, pouco retratado na ficção contemporânea, nos soa muito familiar, uma vez que a violência inserida no dia a dia não nos é tão estranha assim.

Pátria é um livro para todos que gostam de uma boa história envolvendo família, amizade, ressentimentos, afetos e a luta necessária para, apesar de tudo, seguir em frente.

 

A revista

Pátria de Fernando Aramburu tem tantos subtextos que foi difícil decidir o que privilegiar na revista intrínsecos 010. O País Basco, uma nação étnica esparramada em parte na Espanha, em parte na França, é de uma riqueza cultural e histórica surpreendente e embora a violência dos movimentos separatistas tenha sido por muito tempo a principal notícia que se tinha da região, ela está longe de definir seu povo e sua cultura.

A história e a geografia da ocupação basca, seu idioma ancestral, sua arte, seus esportes e a trajetória do ETA, o grupo separatista cuja ação define o romance de Aramburu, ganham destaque nos textos do jornalista Pablo Ordáz, que nos escreve de Madri, com a bagagem de quem por décadas foi um dos principais analistas do conflito basco para o jornal El País, e do escritor, tradutor e pesquisador Fábio Aristimunho Vargas, especialista pela Universidad del País Vasco, que faz um apaixonado panorama dessa cultura no artigo “História de um sobrenome”.

A feliz escolha de Aramburu por contar sua história na voz de diferentes narradores é tema comentado pelo crítico Miguel Conde e também perpassa a entrevista exclusiva cedida pelo autor à editora convidada desta edição, Elisa Menezes. Entre os personagens narradores, Bittori e Miren, as matriarcas ao redor das quais a trama de Pátria se constrói foram escolhidas para ganhar rosto com as pinceladas do bárbaro Renato Moriconi – jamais descritas fisicamente no livro, seus retratos nasceram das palavras e atitudes impressas nas páginas. Uma impressionante expressão de arte, à altura do que merece o romance. De bônus, “Pátria na própria carne”, um texto do autor inédito no Brasil.

 

Marcador e cartão-postal

No marcador, uma mensagem que apresenta bem o tema do livro: “Pedir perdão exige mais coragem do que disparar uma arma”. Junto, um cartão-postal colecionável com a arte de capa do livro que chegará às livrarias pelo menos 45 dias depois de passar pelo clube.

 

O brinde

Em julho, os assinantes receberam um estojo intrínsecos para carregar consigo em todos os momentos.

 

Quer receber histórias tão incríveis quanto essa? Faça parte do clube intrínsecos! Todo mês, um livro inédito em capa dura com brindes que expandem seu universo literário. Além do kit intrínsecos, você também vai receber as novidades da editora em primeira mão e aproveitar todas as vantagens de estar pertinho da Intrínseca.

Um comentário sobre “Bastidores 010: os conflitos e ressentimentos de Pátria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *