Lançamentos de John Green e de Blake Crouch celebram o terceiro aniversário do intrínsecos

Livros

Forward, de Blake Crouch, N. K. Jemisin, Veronica Roth, Amor Towles, Paul Tremblay e Andy Weir

Em setembro, celebramos o aniversário de três anos de intrínsecos. São 36 meses em que compartilhamos histórias e ampliamos nossos horizontes. Mas, em vez de olharmos para trás, miramos no futuro e trouxemos Forward.

Idealizado e organizado por Blake Crouch, autor de Matéria escura e Recursão, Forward reúne grandes nomes da literatura contemporânea para traçar histórias sobre laços, dilemas, escolhas e ambição, destruição e esperança, costuradas em tramas que exploram como as inovações tecnológicas podem redefinir o futuro da humanidade. 

Quem abre o livro é o próprio Crouch com “Summer Frost”, um conto que desafia nossa noção de humanidade enquanto assistimos à obsessão de uma programadora de videogames por uma de suas personagens, cuja inteligência artificial extrapola o universo do jogo. 

Em “Você chegou ao seu destino”, de Amor Towles, autor de Um cavalheiro em Moscou, a decisão de um casal sobre recorrer ou não à manipulação genética para garantir a um futuro bebê importantes vantagens competitivas leva um deles a repensar as próprias escolhas — afinal, somos livres para traçar nossos caminhos ou o futuro não passa de uma imposição genética? 

Paul Tremblay propõe em “A última conversa” algo ainda mais assustador: no conto, encontramos um homem que desperta em um quarto, sem nenhuma memória de quem é nem de como chegou ali. Tudo o que ele tem é a voz de uma mulher que se propõe a guiá-lo até lembranças perdidas. Uma história potente, sobre consciência e identidade.

E se as lembranças, coletadas e reunidas, capazes de revelar o passado, também ajudassem a construir o futuro? Essa arqueologia é a missão da protagonista do conto de Veronica Roth, “Arca”. Ela é uma cientista empenhada nos esforços urgentes de catalogar espécies e informações que vão ajudar a reerguer nossa civilização. A poucas semanas da colisão de um asteroide, a população da Terra já foi evadida, o fim está próximo, mas ainda é tempo de descobertas valiosas e improváveis, impossíveis de deixar para trás.

A hipótese do apocalipse, tão cara à ficção científica, aparece também no conto de N. K. Jemisin, mas de uma ótica diferente. Em “Pele de emergência”, acompanhamos a missão de um soldado em visita a uma Terra abandonada para sucumbir ao colapso climático, depois que uma parte seleta da humanidade passou a habitar outro planeta. Uma viagem potencialmente sem volta, mas pelos motivos mais inesperados.

“Randomizando”, de Andy Weir, fecha a coletânea ao estilo Onze homens e um segredo, trazendo um plano ambicioso em plena Las Vegas. O responsável pela Tecnologia da Informação de um cassino decide aprimorar a segurança das máquinas de um jogo usando a computação quântica. Não é tarefa difícil para ele, mas é ainda mais simples para um prodígio que decide usar essa brecha para hackear a máquina.

Seja em Vegas, seja em uma Terra utópica, a verdade é que nossos dilemas se reeditam infinitamente em torno do que nos faz humanos, independentemente dos saltos tecnológicos e de qualquer ensaio de futuro. É disso que trata Forward. É disso que trata a vida.

 

 

Antropoceno: notas sobre a vida na Terra, de John Green

Para celebrar mais um ano de clube, presenteamos os assinantes com o novo livro de um escritor que marcou a história da Intrínseca e a vida de muitos leitores: John Green. De forma surpreendente, o autor de A culpa das estrelas nos emociona com sua obra de estreia na não ficção, Antropoceno: notas sobre a vida na Terra.  

O termo “Antropoceno” foi proposto para designar a era geológica atual, em que os seres humanos remodelaram o planeta e sua biodiversidade de maneira profunda, para o bem e para o mal. No Antropoceno, não existem observadores desinteressados, apenas participantes. E é brincando com um hábito atual — o de avaliar absolutamente qualquer coisa em um sistema de cinco estrelas — que John Green dá um toque original de humor e sensibilidade ao livro.

O autor analisa diferentes elementos da vida humana, desde os mais banais até os mais peculiares, refletindo sobre o impacto na humanidade e em sua própria vida, pontuando-os com estrelas. A internet, por exemplo, ganha três estrelas; o hábito de procurar estranhos no Google, quatro estrelas; Já o pôr do sol, cinco estrelas. Independentemente do tópico, todos são uma celebração genuína da capacidade humana de se apaixonar pelo mundo.

A humanidade é cheia de facetas contraditórias e invenções intrigantes, e John Green se propõe a avaliá-las de forma nada imparcial. Como o próprio autor reconhece, esses ensaios também são, de certa forma, uma autobiografia.

Juntos, Forward e Antropoceno se complementam no convite a pensarmos sobre a vida e sobre nosso papel no mundo — uma forma maravilhosa de celebrar um aniversário tão especial.

 

Revista

A revista 036 se dedica à ficção científica e a suas visões de futuro. Em textos da mestre em Estudos de Ficção Científica Cláudia Fusco e da jornalista e estudiosa dos Futuros Lidia Zuin, investigamos a origem do gênero e sua conexão com as ciências da vida real.

O ilustrador Tiago Lacerda brinca com antigas invenções futuristas e o escritor Ted Chiang nos apresenta a questionamentos de uma medicina além da que conhecemos, em trecho reproduzido de sua obra mais recente, Expiração

 

Marcador e cartão-postal

O cartão-postal revela a arte de capa da obra que chegará às livrarias pelo menos 45 dias depois de enviada no clube, e o marcador faz uma provocação antes mesmo da leitura: o avanço tecnológico seria o prenúncio do fim do mundo ou o início de uma nova era?

 

Brinde

Inspirados pelas avaliações de Antropoceno, criamos um kit de adesivos para que os intrínsecos, assim como John Green, possam fazer avaliações, sejam elas sobre livros, filmes, séries ou qualquer tema que desperte a curiosidade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *