Bastidores 030: É possível apagar o passado? Conheça “A metade perdida”

 

O livro

A metade perdida, de Brit Bennett

Em Mallard, crescia-se ouvindo histórias sobre pessoas que fingiam ser brancas. A mulher que se fez de branca para conseguir o diploma de professora; aquele que ganhou um aumento de salário porque o chefe achava que ele era branco… Casos pitorescos, que não só desafiavam, mas debochavam do status quo. Uma transição definitiva para uma vida como branco, no entanto, era outra coisa. Seria como apagar parte de si. Algo impossível de forjar e do qual ninguém sobrevive ileso. E até onde é possível apagar uma parte de si para escrever um novo futuro?

Na caixa de março, os intrínsecos conheceram as irmãs Desiree e Stella Vignes, gêmeas idênticas que moram na pequena Mallard, uma comunidade negra no sul dos Estados Unidos obcecada por gerações de habitantes com a pele cada vez mais clara. Quando, aos 16 anos, ambas fogem de casa, não imaginam como essa decisão afetará para sempre suas vidas e seus relacionamentos.

Mais de uma década depois, Desiree retorna à cidade natal com sua filha, uma criança de pele muito escura. Stella havia abandonado a irmã anos antes, separando a dupla em definitivo. Aos poucos, as gêmeas seguiram para pontos muito distantes em uma sociedade racista: enquanto uma se casa com um homem negro e é obrigada a retornar ao lugar de onde escapou anos antes, a outra se passa por branca, e o marido branco não faz ideia de seu passado. 

Ainda que separadas por milhares de quilômetros ― e incontáveis mentiras ―, o destino das duas irmãs permanece interligado. E o que acontecerá quando os caminhos de suas filhas acabarem se cruzando também?

Em uma saga sobre as consequências imprevisíveis de nossas escolhas, Brit Bennett reflete com maestria sobre identidade, passabilidade, colorismo, a fragilidade e a força dos artifícios racistas. A metade perdida, novo livro da autora de As mães, estreou no topo da lista de mais vendidos do The New York Times em 2020 e entrou para a lista de favoritos de Barack Obama. O fenômeno chamou a atenção da HBO, que adquiriu os direitos da obra para uma adaptação. 

A revista

Na revista 030, contextualizamos a passabilidade — capacidade de uma pessoa ser considerada membro de um grupo ou categoria identitária diferente da sua — sob a ótica atual, em texto da socióloga Renata Aidar; refletimos com a mestra em literatura Sueli Monteiro sobre a linguagem como ferramenta de opressão racial; e descobrimos mais sobre a dinâmica identitária entre irmãos gêmeos no texto do jornalista Rafael Meira. 

Para mergulhar na produção literária de Brit Bennett, selecionamos um trecho de As mães, o aclamado romance de estreia que a colocou no radar de leitores e críticos, também publicado pela Intrínseca.

Marcador e cartão-postal

O marcador e o cartão-postal revelam a arte da capa da edição que chegará às livrarias pelo menos 45 dias após ser enviada no clube, em um formato diferente, sem o acabamento especial da edição do intrínsecos.

 

Os brindes

Para o brinde, convidamos  a ilustradora Linoca Souza para criar o retrato das irmãs Vignes em um mosaico fluido e não linear, assim como a narrativa de A metade perdida. A arte pode ser usada para decorar o ambiente, como um imã de geladeira ou como um quebra-cabeça. Você decide! 

 

Em março, também presenteamos todos os intrínsecos com um livro e brindes extras: Orçamento sem falhas, de Nath Finanças, e planners financeiros.  Nath se tornou um fenômeno nas redes sociais ao ensinar educação financeira de maneira fácil e prática para quem não entende do assunto, e seu lançamento ensina a ter uma relação saudável com o dinheiro e a economizar mesmo ganhando pouco. Hoje, ela comanda o podcast Boletos pagos e é colunista do El País e do Extra.

 

intrínsecos digital

Além da caixinha, o assinante do clube também tem acesso a conteúdos extras todos os meses no espaço intrínsecos digital. Para A metade perdida, Brit Bennett apresentou sua obra e suas inspirações em um vídeo especial para os leitores brasileiros. Além disso, disponibilizamos um episódio exclusivo do podcast Modus Operandi, sobre dois famosos irmãos gêmeos do mundo do crime, e o Guia de leitura intrínsecos, com perguntas e tópicos para debater e refletir após a leitura.

 

 

Um comentário sobre “Bastidores 030: É possível apagar o passado? Conheça “A metade perdida”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *