Bastidores 014: o poder de um livro contra a censura

O LIVRO

Ao trazer à tona um capítulo desconhecido da história da literatura – o contrabando de uma obra censurada de volta para seu país de origem –, Os segredos que guardamos envolve o leitor em uma trama de espionagem e tensão política, evocando, ao mesmo tempo, a força feminina.

Doutor Jivago, de Boris Pasternak, não teria se tornado uma das obras-primas do século XX sem os esforços de Sally, uma veterana espiã da CIA, e Irina, uma simples datilógrafa que acaba se tornando agente. Considerado antissoviético, o livro de Pasternak retrata um romance cujo pano de fundo é a Revolução de 1917 pelo ponto de vista russo. Mesmo com a publicação proibida na URSS, a obra atravessou a Cortina de Ferro e foi traduzida para 18 línguas. O objetivo das espiãs Sally e Irina não era nada simples: fazer Doutor Jivago retornar ao seu país de origem e desmoralizar a URSS.

Além de explorar seu interesse pela vida dos dois personagens históricos – Pasternak e Lara, seu grande amor –, a autora Lara Prescott desenvolve uma trama paralela na qual narra a saga pessoal e profissional de Sally e Irina. Por costurar com habilidade reviravoltas, surpresas, aventura e romance, Os segredos que guardamos tem tudo para se tornar o próximo favorito dos leitores – não à toa o livro estreou na lista de mais vendidos do New York Times e foi selecionado para o badalado clube de leitura da atriz Reese Witherspoon. Os capítulos breves se sobrepõem em ritmo eletrizante até o fim da missão e o desfecho da relação construída entre as duas agentes, emblemas de coragem e profissionalismo no ambiente machista e preconceituoso da CIA nos anos 1950.

Durante a leitura é impossível deixar de imaginar as roupas, as ruas de Washington e de Moscou, o escritório, as festas e não embarcar em uma viagem para outra época, quando o mundo parecia polarizado em ideologias e ainda mais injusto. Os segredos que guardamos fala sobre como o amor pelos livros e a liberdade de circulação de ideias são forças motrizes das quais não podemos abrir mão.

 

A REVISTA

© Mariana Valente

 

Espionagem, corrida espacial, romance, traição, sororidade, máquinas de escrever, milk-shakes e jukebox… Para ilustrar os temas que figuram em Os segredos que guardamos, nossa revista intrínsecos 014 dá destaque a três obras da colagista Mariana Valente com referências e pistas que representam três importantes cenários da trama: Rússia, Estados Unidos e Itália. A ideia de escrever o livro e o processo de criação de Laura Prescott guiam a entrevista exclusiva que a autora concedeu à editora convidada, Elisa Menezes.

A Guerra Fria e a ofensiva cultural dos Estados Unidos contra a Rússia são a base dos textos do historiador Roberto Moll, que fala do poder transgressor das artes, e da jornalista Suzana Velasco, que reconta casos variados de obras banidas que só chegaram aos leitores pela força e dedicação de editores e livreiros. Audrey Furnaletto investiga as práticas de espionagem de ontem e de hoje, mergulhando no charme que ronda o assunto. Para encerrar, uma exaltação do fascínio que Doutor Jivago desperta até hoje: o crítico Alexandre Werneck se debruça sobre a adaptação cinematográfica do livro, um clássico do cinema que completa agora 55 anos.

 

MARCADOR E CARTÃO-POSTAL

“É, ao mesmo tempo, uma história de guerra e uma história de amor.” Com essa frase reunimos as diferentes facetas de Os segredos que guardamos no marcador de páginas. Junto a ele, um cartão-postal com a arte de capa do livro que chegará às livrarias pelo menos 45 dias depois da edição do clube.

 

BRINDES

As viagens feitas pelas agentes são um ponto importante da narrativa. Ao atravessar o mundo e até assumir outras identidades, elas fazem com que Doutor Jivago também cruze fronteiras. Por isso, na caixa de novembro, os assinantes receberam um Passaporte intrínsecos para documentar as viagens que fizeram com as histórias do clube. Na cartela, adesivos representando a cor de todos os livros já enviados para colar no passaporte.

Nessa cartela, você também vai encontrar etiquetas que servem para marcar sua localização em um mapa. Eles completam o brinde da caixa de abril/2019, na qual entregamos um mapa e 12 adesivos similares, 7 referentes aos livros do clube enviados até então e 5 em branco para as histórias seguintes. O tempo passou voando e chegamos à nossa décima quarta caixinha, ou seja, já estava na hora de atualizar o mapa e expandir nossas viagens. Por isso, decidimos enviar mais adesivos. As etiquetas coloridas se referem aos livros 013 e 014 e os adesivos em branco são para as surpresas dos próximos meses. Pinte cada um com a cor da capa da obra do referido mês.

Em novembro também tivemos um brinde extra: um kit de marcadores das histórias inesquecíveis da Intrínseca! Os cinco livros emblemáticos da editora foram escolhidos pelos próprios assinantes em uma votação. Essa é a nossa forma de agradecer a todos os intrínsecos por fazer parte de nossa trajetória. <3

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *